ACESSAR O MATERIAL TAGS

Autor(a):

Arbore, Célia Moretti

Orientador(a):

Nascimento, Luis Cláudio Portugal do

Ano de publicação:

2016

Unidade USP:

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo [FAU]

Assuntos:

design de produtos; mobiliário doméstico; habitação popular; classe baixa

Palavras-chave do autor:

classe baixa;design centrado no usuário;design de produtos;habitação popular;mobiliário doméstico;mobiliário popular

Resumo:

A literatura de design e de arquitetura sugere a necessidade de realização de estudos mais aprofundados e capilares junto a usuários de baixa renda a respeito da realidade material interior de suas residências, de como se daria a efetiva utilização de bens e objetos pessoais, além de suas aspirações e preferências quanto aos produtos de uso doméstico. Vários autores, neste sentido, ressaltam que a produção brasileira de mobiliário residencial industrializado, também denominado móvel seriado, sobretudo no segmento do consumo popular, não atenderia, integralmente, a seu público principal, concentrado nestas duas faixas socioeconômicas da população. Este alegado descompasso existiria, parcialmente, em razão de designers e fabricantes de móveis populares seriados supostamente desconhecerem as necessidades efetivas dos usuários e as maneiras de interação com seus bens domésticos. Nesta pesquisa, foram investigadas várias situações de uso do referido mobiliário popular industrializado em moradias de usuários selecionados residentes na Grande São Paulo, abordando aspectos tais como: percepções, significados, preferências, avaliações, apropriações, formas de utilização e adequação aos ambientes. Em termos metodológicos, este estudo qualitativo, de caráter essencialmente fenomenológico, mas também observacional, foi constituído pela sistematização e análise associativa de dados obtidos por meio de entrevistas em profundidade semiestruturadas conduzidas com quarenta usuários e doze vendedores. O trabalho de campo foi complementado por observações diretas, produzidas pela pesquisadora, de móveis, objetos e demais arranjos físicos e visuais encontrados nas moradias visitadas e em lojas de móveis populares, com auxílio de registros fotográficos e gravações em áudio. Na análise do conjunto de dados coletados, foram identificados elementos semióticos, estéticos, funcionais, socioculturais e psicológicos, entre outros. Os resultados obtidos permitem iluminar questões efetivas de uso do mobiliário popular, além de hábitos, costumes, preferências estéticas e condições internas das moradias dos usuários participantes. Observou-se, por exemplo, neste sentido, reduzida adequação de parcela significativa do mobiliário às habitações visitadas, bem como presença de improvisações e adaptações a que os usuários comumente recorrem, mesmo em móveis com pouco tempo de aquisição, para que voltem a desempenhar adequadamente suas funções, além de certa resignação de parte dos usuários quanto a deficiências de projeto e de produção verificadas nos móveis, por vezes justificadas, por eles, pelos baixos preços que pagaram. Tais percepções e outros achados disponibilizam, assim, um corpo de insumos para designers e indústria moveleira em geral, sobre necessidades específicas de famílias de baixa renda que encontram, neste mobiliário popular industrializado, sua principal ou única, mesmo que, em casos, precária, opção de compra para atendimento de necessidades básicas de armazenamento de objetos pessoais e de apoio a tarefas domésticas. Espera-se, com esta pesquisa, contribuir para que o projeto e a produção desta classe de produtos ofereça maior adequação ao efetivo modo de vida e necessidades de seus usuários no interior de suas moradias.

ABNT:

ARBORE, Célia Moretti; NASCIMENTO, Luis Cláudio Portugal do. Mobiliário industrializado popular em situações de uso em moradias de famílias de baixa renda. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16134/tde-16022017-095820/pt-br.php >.