ACESSAR O MATERIAL TAGS

Graffiti, Hip Hop, Perinstituto De Física [If]Eria

Autor(a):

Filardo, Pedro Rangel

Orientador(a):

Mautner, Yvonne Miriam Martha

Ano de publicação:

2015

Unidade USP:

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo [FAU]

Assuntos:

paisagem urbana; graffiti; antropologia urbana; geografia urbana

Palavras-chave do autor:

antropologia urbana;geografia urbana;graffiti - São Paulo (SP);paisagem urbana - São Paulo (SP)

Resumo:

A pichação é um fenômeno urbano mundial, que se tornou presença marcante na paisagem da cidade. O trabalho dá enfoque às tags (assinaturas estilizadas), que é a forma de pichação mais disseminada e presente. Surgidas no final da década de 1960 nos Estados Unidos, ligadas às disputas territoriais dos guetos e ao hip-hop, começou a tomar a sua característica formal na cidade de São Paulo e adjacências, principalmente no final da década de 1980. O tag reto (ou pixo reto) é uma solução gráfica e caligráfica que toma as construções como um grid, em uma disputa pelo visual da cidade. Seus autores partilham de um sentimento de identidade com a periferia da cidade, e usam as marcas nas paredes como uma comunicação fechada entre eles, medindo-se e afirmando-se dentro do grupo com ações ousadas (enfrentando perigos como a altura, a polícia, seguranças particulares e moradores enraivecidos com o vandalismo). Eles se apropriam de locais com grande fluxo, o que vai garantir visibilidade. Também procuram marcar paredes que não são pintadas frequentemente, garantindo a durabilidade. Pontes, viadutos, topo de edifícios, muros e fachadas: quase nada escapa. Pichadores são mais um grupo disputando a paisagem da cidade, mas que não são nem os proprietários e nem o poder público.

ABNT:

FILARDO, Pedro Rangel; MAUTNER, Yvonne Miriam Martha. A Pichação (tags) em São Paulo: dinâmica dos agentes e do espaço. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16137/tde-07032016-152052/pt-br.php >.