ACESSAR O MATERIAL TAGS

Ubs

Autor(a):

Serbonchini, Caroline Alves

Orientador(a):

Verissimo, Maria De La Ó Ramallo

Ano de publicação:

2012

Unidade USP:

Escola de Enfermagem [EE]

Assuntos:

cuidado pré-natal; promoção da saúde; gravidez

Palavras-chave do autor:

cuidado pré-natal gravidez promoção da saúde

Resumo:

Objetivos. Caracterizar um grupo de mulheres gestantes quanto a cuidados da gestação, tendo como foco a promoção do desenvolvimento infantil, e identificar a importância atribuída à inserção desses cuidados como temas das consultas de pré-natal. Método: estudo quantitativo, descritivo e exploratório, realizado em uma Unidade Básica de Saúde (UBS), na Zona Leste da cidade de São Paulo. Participaram do estudo 96 gestantes, sorteadas dentre as matriculadas na UBS. A coleta de dados se deu por entrevistas, com instrumento baseado na Ficha de acompanhamento dos cuidados para a promoção da saúde da criança. Parte das gestantes respondeu a perguntas abertas adicionais, justificando suas respostas. Realizou-se análise descritiva dos dados mediante frequências absolutas e relativas. As respostas às perguntas abertas foram submetidas à análise temática de conteúdo, obtendo-se categorias empíricas. Resultados: as gestantes tinham idade entre 18 e 42 anos, com maioria abaixo de 25 anos; 66,7% tinham Ensino Médio completo e 30,2% o Ensino Fundamental; 57,3% não exerciam atividade remunerada; 56,2% viviam com um companheiro. Quanto às características reprodutivas, 45,8% estavam na primeira gestação, sendo quatro o maior número de filhos vivos e sete o maior número de gestações. Quanto ao seguimento de pré-natal, houve ausência em gestações anteriores (4,2%) e na atual (1%); 49% participaram de atividades educativas sobre a gestação e 20,8% sobre o desenvolvimento infantil. Quanto aos cuidados com a gestação, houve respostas positivas abaixo de 70% para os seguintes tópicos: gravidez planejada; evitar esforços excessivos; considerar dor de cabeça forte e inchaço como risco. Entre 70 e 85% das participantes responderam positivamente em relação a alimentar-se, tomar vacinas e evitar contato com substâncias perigosas. Os seguintes itens tiveram respostas positivas em mais de 85% dos casos: realização do seguimento pré-natal; participação do pai na gestação; fazer tratamentos conforme orientações da equipe de saúde; evitar quedas, acidentes, fumar, exames radiológicos, ingestão de álcool, drogas e medicamentos sem receita; identificar perda de líquido, sangramento vaginal e parada dos movimentos do bebê como sinais de risco. Quanto à importância atribuída à inserção de cada tema na consulta de pré-natal, somente o item A gestante sente-se ajudada pela família? resultou em menos de 70 % de respostas positivas. Mais de 85% das entrevistadas concordaram quanto à importância de inclusão dessas questões na consulta. A maior parte das justificativas favoráveis a questionar os temas de cuidado nas consultas considerou a necessidade de o profissional obter informações para nortear sua conduta e de tratar-se de cuidados relacionados ao bom desenvolvimento da gestação e do feto. Quanto às respostas negativas, foram justificadas pela impossibilidade do profissional atuar e também pela experiência relatada pelas gestantes de nunca terem sido abordadas a respeito do assunto nas consultas de saúde. Conclusão: Embora grande parte das gestantes afirme realizar os cuidados necessários para a promoção da saúde e desenvolvimento do feto, alguns baixos índices de respostas positivas indicam situações que demandam maior atenção do serviço de saúde no acompanhamento pré-natal, especialmente para as gestantes que não conseguem garantir todos os cuidados necessários.

ABNT:

SERBONCHINI, Caroline Alves; VERISSIMO, Maria De La Ó Ramallo. A importância atribuída aos conteúdos abordados na ficha de acompanhamento dos cuidados para a promoção da saúde da criança na consulta de pré-natal, na Zona Leste de São Paulo 2012.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-28112012-074054/