ACESSAR O MATERIAL TAGS

Baixa Renda, Projeto Social

Autor(a):

Sawaya, Sandra Maria

Orientador(a):

Patto, Maria Helena Souza

Ano de publicação:

1999

Unidade USP:

Instituto de Psicologia [IP]

Assuntos:

desenvolvimento cognitivo; escrita; leitura; política educacional; alfabetização; construtivismo (psicologia); fracasso escolar

Resumo:

O interesse deste trabalho é o de contribuir para uma melhor compreensão dos aspectos que envolvem a alfabetização das crianças de classes populares em nosso país. Para tanto partimos de uma reflexão sobre alguns dos pressupostos da teoria construtivista que vêm norteando as políticas de alfabetização dos órgãos planejadores da política educacional do nosso país, lançado mão das contribuições de um grupo de historiadores e sociólogos, que através da perspectiva da História Cultural, vêm apontando novos ângulos ao entendimento da leitura e da escrita. Partindo de uma análise de algumas das teses construtivistas que nortearam o projeto de alfabetização do Ciclo Básico e dos seus desdobramentos sobre a maneira de compreender as dificuldades escolares das crianças de baixa renda, buscamos analisar algumas dessas afirmações a partir dos dados de pesquisa por nós realizada e de outros trabalhos que confirmavam os nossos resultados. As pesquisas revelaram a existência de materiais escritos bem como de práticas de leitura e escrita nos meios populares, apontando para a necessidade de uma revisão dos pressupostos da sua inexistência bem como dos defeitos dela sobre o desenvolvimento cognitivo das crianças pobres. As contribuições dos historiadores franceses e dos sociólogos ofereceram não só uma ampliação dos referenciais de análise da alfabetização e classes populares, como revelaram novos ângulos para uma melhor compreensão dos muitos aspectos, dentre eles o fracasso escolar, que envolvem o processo de escolarização. A análise das informações obtidas nas pesquisas e as contribuições teóricas trazidas pelos trabalhos dos autores estrangeiros sobre a leitura e a escrita permitiram problematizar as afirmações sobre a ausência de leitura e escrita nos meios populares e suas supostas conseqüências cognitivas, não se reduz às formas gráficas e ao texto escrito. Os usos que a sociedade tem feito da escrita permitiram que ela penetrasse, de diversas maneiras, nos vários domínios da vida social, nas suas formas de organização, na construção das significações sociais e nas formas de relação social. Como práticas sociais, esses autores revelam que há modos de leitura (silenciosa, teatralizada, coletiva, etc.), modos diversos de emprego dos textos, diferentes formas de processos de acesso ao texto, apontando para aspectos desconhecidos das relações que os leitores estabelecem com o texto escrito e incluindo neles leitores que não dominam as técnicas de leitura.

ABNT:

SAWAYA, Sandra Maria; PATTO, Maria Helena Souza. A leitura e a escrita como práticas culturais e o fracasso escolar das crianças de classes populares: uma contribuição crítica 1999.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.